sábado, 29 de março de 2008

Um amigo na segunda milha

Rúben era um menino Judeu que morava na Palestina, no tempo em que Jesus vivia lá, ensinando e ajudando o povo. Um dia, Rúben estava sentado perto da grande estrada que dava esquina com outras estradas. Dali, podia ver bem as pessoas que viajavam. Algumas passavam a pé, outras montadas em burros. Viu também uma grande caravana de camelos, conduzindo enormes cargas.

Rúben, sentado á beira da estrada, tudo observava e dizia consigo: "Um dia eu também vou viajar. Irei até o grande mar, mas não pretendo parar por lá; quero conhecer o mundo todo". Naquele momento ele notou uma pessoa andando sozinha, com um saco bem grande ás costas.
"É um soldado romano", pensou Rúben, "Conheço pela roupa odeio os romanos! Eles tiram a nossa liberdade. Somos obrigados a pagar impostos ao seu governo e a obedecer às suas leis, odeio todos romanos".

O soldado tinha chegado bem perto dele, parou, e deixou cair o saco no chão. Ficou descansando um pouco enquanto olhava as pessoas que passavam na estrada. Rúben continuou a olhar para o soldado, mas sempre com pensamento de ódio. Naquele momento, o soldado virou - se para apanhar o saco e viu Rúben sentado ali perto.

- Ei ! Venha cá, menino! - chamou ele.

Rúben se assustou e teve vontade de correr, mas ninguém ousava desobedecer a um soldado romano.

Bem devagar, aproximou-se dele. O soldado apontou- lhe o saco.

- Você vai carregá-lo para mim.

Rúben sabia que não havia outro jeito, conhecia a lei romana. Um soldado romano podia obrigar qualquer homem ou menino judeu a carregar sua bagagem por uma milha na direção em que viajava. "Mas irei só uma milha", pensou Rúben bastante zangado, enquanto apanhava o saco. O saco era pesado, mas ele era forte. Rúben tinha vontade de jogar o saco longe... Como odiava aquele soldado. Mas nada podia fazer a não ser andar atrás dele, com seus maus pensamentos.
"Mas é somente por uma milha. Ele não pode obrigar-me a dar um só passo além da milha, como a lei diz. Somente uma milha... uma milha", dizia o menino enquanto andava.

De repente, lembrou-se de outro dia quando ele, com alguns de seus amigos, andavam pela mesma estrada procurando um mestre chamado Jesus, que estava ensinando ao povo. Eles o encontraram numa colina , rodeado de uma multidão, e pararam para escutá-lo.
Mas porque estou pensando em Jesus agora? Oh, já sei. Ele tinha falado alguma coisa sobre milhas... O que foi que Ele disse sobre uma milha? Rúben continuava andando e a pensar: " Eu me lembro agora o que Jesus disse: Se alguém mandar você ir uma milha, vá com ele duas milhas. Sim, foi isso que Jesus disse. Rúben não tinha prestado muita atenção aos ensinamentos de Jesus naquele dia, mas agora se lembrava de outras coisas que Ele ensinou. "Amai os vossos inimigos... fazei bem aos que vos odeiam... se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas". Rúben estava pensando tanto que nem notou que o soldado tinha parado.

- Você já andou uma milha. Dê-me o saco. - disse o soldado.

- Não, vou mais adiante. Nem parece que andei tanto. O saco nem parece que está pesado. Respondeu Rúben, sem mesmo compreender porque falava assim.

O soldado olhou para Rúben, e pela primeira vez Rúben viu o rosto dele. Era bastante jovem e parecia muito cansado.

- O senhor já viajou muito? - perguntou o menino.

- Muitas e muitas milhas. - foi a resposta.

- E ainda tem que viajar muito?

- Vou a Roma. - respondeu o soldado.

-Tão longe! - disse Rúben - Então deixe-me levar o saco mais outra milha.

- Muito obrigado ! Você é muito bondoso. - respondeu o soldado.

Os dois continuaram a caminhar, agora juntos, conversando. Rúben tinha a imprensão de que conhecia o soldado há muito tempo, e falava com ele sobre sua familia e sua casa e o soldado contava histórias de viajens. O tempo passou muito depressa. Finalmente o soldado perguntou:

- Diga-me uma coisa. Por que você se ofereceu para levar o meu saco mais outra milha?

Rúben hesitou.

-Eu nem sei bem. Deve ter sido por causa de alguma coisa que Jesus falou sobre milha.

Então contou ao soldado o que tinha acontecido.

- Coisa estranha, disse o soldado pensativo. "Amai os vossos inimigos"! Este é um ensinamento duro. Eu gostaria de conhecer este Jesus.

Tinham chegado ao alto da colina e Rúben olhou para trás, para o caminho por onde voltaria a casa.

-Devo voltar agora. - disse.

O soldado tomou o saco, colocou-o nas costas, e apertou a mão do menino, e dizendo:

- Adeus, amigo.

- Adeus... amigo. - respondeu Rúben com um sorriso.

Enquanto andava de volta para casa, as palavras de Jesus continuavam na mente de Rúben: "Se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas".

"E isso dá resultado"! Pensou Rúben. "Andei uma milha acompanhando um inimigo... Andei a segunda milha e encotrei um amigo".

Histórias para você
Coleçao Gertrude S. Mason

5 comentários:

pqd disse...

Na primeira milha, qualquer um deve andar, porque é obrigatória. A segunda é opcional. Só os filhos que compreendem as entrelinhas do Espírito conseguem andar e os resultados são fantásticos.Se você nunca andou, experimente...

Karla disse...

Muitíssimo obrigada por compartilhar essa história! Nunca esquecerei o livro "Histórias para você", ótimas memórias da minha infância!

SandraMac disse...

Amei essa reflexão!! Obrigada por compartilhar, irmã!!
Bjs**

Linolica disse...

Muito linda e verdadeira essa reflexão. Amei tia Marilda! beijinhos

Marilda disse...

Obrigada Sandra e Linoca! Deus abençoe vocês!! bjs